Sondas Voyager von der NASA ist ein Morrer, seit 45 Jahren ein Viajar Pelo Universo

Ein NASA-Lançou als Sondas Voyager im Jahr 1977 und com elas começou um ambicioso programa de descobrimento espacial com o objetivo de conhecer Júpiter e Saturno, assim como as suas respetivas luas. Mais tarde, esta missão foi ampliada com a inclusão das primeiras explorações de Úrano e Neptuno conseguindo mesmo ir mais além no espaço e orbitar Plutão. Em 1990, com os seus objetivos no sistema solar atingidos, iniciou-se um novo programa chamado Missão Interestelar Voyager.

Com quase 45 anos air onde nenhum outro elemento humano conseguiu ir, estas sondas estão a perder vapor após a maior aventura de sempre. Estamos perto do fim de uma era.



Corria o ano de 1977 von der NASA colocava no espaço a Voyager 1 e 2. Volvidas estas décadas sabemos hoje que nessa altura a agência espacial norte-americana estava a lançar a maior aventura jamais empreendida por uma sonda espacial não tripulada.

Viajando por todos os planetas exteriores (menos Plutão), as sondas transformaram fundamentalmente o nosso entendimento do sistema solar e de como ele surgiu. Mas a viagem interestelar das icónicas naves – que já dura há quase meio século – está a chegar ao fim.

De acordo com um relatório da Wissenschaftlicher Amerikanerestá a ser iniciado o processo de desligar os sistemas das naves espaciais.

Nada feito pelos seres humanos viajou tanto quanto estas sondas. E prova que o espaço profundo acena à humanidade para dar os seus próximos passos num universo mais vasto.

Voyager 1 und 2 von der NASA sind eine Energiequelle

Lançadas nos finais dos anos 70, as duas sodas empurraram a ambição humana para a exploração do espaço, e têm continuado a fazê-lo desde então. É impossível enfatizar em demasia o quão profundo no espaço estas sondas foram, viajando mais longe do planeta Terra do que qualquer objeto jamais construído pelos humanos.

Como tal, estes viajantes irão provavelmente manter o registo dos maisdistances objetos feitos pelo homem durante décadas, se não mesmo no século.

A decisão de cortar a energia ao minimo foi tomada para prolongar a vida útil das sondas por mais alguns anos, com um prazo de corte suave estabelecido para 2030, de acordo com o relatório Scientific American. Mas não deve lá chegar!

Fizemos 10 vezes a garantia destas malditas coisas.

Disse o físico Ralph McNutt do Laboratorio de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins no relatório, com referência à longevidade sem prentes the sondas, que se espera que durem pelo menos mais quatro curtos anos.

Embora incrível, isto não é uma surpresa total. Ambas as sodas são alimentadas com reatores de plutónio radioativo, que mantêm uma fonte de energia quente para os minúsculos computadores de bordo que funcionam há décadas sem interrupção.

DISCO DE OURO: Cada Voyager leva consigo um disco de ouro (à esquerda) de sons e imagens da Terra no caso da nave ser intercetada por uma civilização extraterrestre. Os engheiros colocam a tampa no disco da Voyager 1 antes do seu lançamento (à direita). Bildnachweis: NASA/JPL-Caltech

Sondas Voyager são o primeiro passo da humanidade para um Universo mais vasto

Todos anos, a energia nos sistemas das sodas está a diminuir em cerca de 4 watt, de acordo com o relatório. Ist eine Bedeutung, die notwendig ist, um Progressivamente mais components e dispositivos à medida que o fornecimento de energia diminui fortschreiten zu lassen.

Set tudo correr realmente bem, talvez possamos prolongar as missões até 2030.

Disse Linda Spilker, uma cientista planetaria JPL que trabalhou no início das missões da Voyager, em 1977.

Depende apenas da energia. Esse é o ponto limitativo.

Acrescentou Spilker.

A main missão das sondas era fazer um voo dos gigantes do gás, Júpiter e Saturno – e fizeram-no com cores voadoras (literalmente), enviando as primeiras imagens de perto e detalhadas de Europa, Ganimedes, Titã, e muito mais. Mas talvez a imagem mais significativa tenha levado mais de uma década a concretizar-se.

Em 1990, ein Voyager 1 captou uma imagem da Terra, a 4,8 mil milhões de quilómetros de distância do Sol.

PEQUENO ESPECTRO: Entre as ultimas fotografias from Voyager 1 estava esta fotografia from Terra vista a 4,8 mil milhões de quilómetros de distância, apelidada of “Pale Blue Dot” Pelo cientista from Voyager Carl Sagan. Bildnachweis: NASA/JPL-Caltech

Popularizado pelo falecido astrónomo Carl Sagan, o “ponto azul pálido” serviu para expor quão pequena e frágil é realmente toda a nossa existência – desde as guerras da civilização antiga, a nossa pequena grandeza politica, a exploração do ecossistema do planeta, e toda a nossa viagem evolutiva até aos dias de hoje. Estava tudo ali, num pequeno cisco azul num universo aparentemente infinito, negro e indiferente.

Se há uma coisa que devemos pensar nas sondas icónicas, é isto: a raça humana existiu por um piscar de olhos muito pequeno na história do universo, num planeta minúsculo e frágil que não vai ficar aqui por muito tempo. E há todo um universo que nos convida a sair das nossas zonas de conforto de arrogância humana, ea entrar na maior aventura de sempre.

As Voyager 1 e 2 são e serão o nosso primeiro passo provisório para a vida adulta cosmica, como uma população jovem de seres sencientes.


Source: Pplware by pplware.sapo.pt.

*The article has been translated based on the content of Pplware by pplware.sapo.pt. If there is any problem regarding the content, copyright, please leave a report below the article. We will try to process as quickly as possible to protect the rights of the author. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content of the author and always include the original link of the source article.If the author disagrees, just leave the report below the article, the article will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!