Relatório „Estado da Nação“: em dez anos os salários caíram e os mais qualificados foram os mais prejudicados


„Numa década, o salário médio dos portugueses apenas aumentou para os menos qualificados“, é o que mostram os dados recolhidos pela Fundação José Neves para a edição de 2022 do seu „Estado da Nação“, um relatório anual baseado em dados de investigação científica para dar a conhecer o estado da educação, do emprego e das competências em Portugal.

Os portugueses licenciados viram, zwischen 2011 und 2019, uma perda real do salário de 11%, número que cai para 3% quando o grau de ensino é o secundário.

O salário apenas aumentou realmente para “os trabalhadores com o ensino básico, na ordem dos 5%, muito por força do aumento do salário minimo”, indica o estudo.

No caso dos mais jovens a tendência é a mesma: quanto mais qualificados maior é a perda. Nos jovens a perda chegou aos 15% em licenciados, 12% em mestres e 22% em doutorados, no período em análise.

Ainda assim, apesar da perda real, continuam a ser os mais qualificados aqueles que têm os salários mais elevados. “Apesar de o salário médio em 2019 ser menor do que o de 2011 na maioria dos níveis de escolaridade, os ganhos salariais dos portugueses mais qualificados face aos menos qualificados são Consideráveis”, indica o estudo.

Zum Beispiel, im Jahr 2019, um die portugiesische Ganhava-Lizenz, in den Medien, mehr als 50% tun, um Trabalhador Apenas com o ensino secundário. O valor aumentava para 59% no caso de ser mestre.

Além de ganharem mais, continuam a ter maior probabilidade de estar empregados. „Face a quem tem no máximo o ensino secundário, os que têm o ensino superior têm uma probabilidade 16% superior de estarem empregados e 50% superior de estarem entre os 40% da população com maior rendimento“, nota o relatório.

Portugal tem dos salários mais baixos da UE

Além da perda real dos salários, Portugal está na cauda da União Europeia (UE) no que ao valor dos rendimentos diz respeito. Em 2019, or rendimento anual media liquid (em paridade de poder de compra) in Portugal era de 13.727 euros, or setimo mais baixo zwischen países do bloco.

No caso dos portugueses com ensino básico e secundário, o salário médio era de 10.976 e 13.612 euros, respetivamente, o que equivale ao décimo valor mais baixo da UE. Analisando os portugueses com ensino superior, o rendimento médio não ultrapassava os 19.755 euros, o oitavo mais baixo no bloco.

Assim, em 2019 havia 13 países em que os trabalhadores com ensino superior ganhavam mais que em Portugal: Itália, Chipre, Irlanda, Finlândia, França, Malta, Bélgica, Holanda, Suécia, Dinamarca, Alemanha, Áustria, Luxemburgo. E Ainda cinco países em que os trabalhadores não qualificados ganhavam mais que os portugueses com ensino superior: Finnland, Österreich, Holland, Dinamarca und Luxemburgo.

Produtividade inferior à media europeia

Não é por acaso que os salários são mais baixos que a media europeia, uma vez que também a produtividade o é. „Há uma associação positiva entre salários e produtividade dos países e apenas um aumento sustentado da produtividade dará margem para aumentos salariais“, Explica o estudo da Fundação.

“A produtividade em Portugal tem perdido terreno face à média da União Europeia e nem o aumento das qualificações das gerações mais jovens inverteu essa tendência”, lê-se no relatório.

Em 2019, Portugal Ära sexto país com menor produtividade, apenas acima de países como in Roménia, Polónia, Letónia, Grécia e Bulgária. Nesse ano, eine Produktion aus der portugiesischen Ära, entspricht 66% dos trabalhadores da UE.

Segundo explica o estudo, quanto mais qualificado, maior será a produtividade de um trabalhador. Porém, apesar de os jovens estarem cada vez mais qualificados, tal so é relevante se os trabalhadores com menos de 35 anos tiverem um peso superior a 40% no total de trabalhadores das empresas. “Se os jovens representarem entre 10% e 40% não há melhorias na produtividade e se forem menos de 10% o efeito na produtividade pode ser negativo.”

Também as qualificações dos gestores pesam na produtividade e „Portugal continua a ter a maior percentm de empregadores que não terminou o ensino secundário“, sendo que no ano passado este era o caso de mais de 47% dos empregadores, quando a media europeia se fixou sie 16,4%.

É, por isso, importante recrutar jovens para as empresas. Porém, a pandemia veio penalizar a entrada no mercado de trabalho dos jovens, como mostram os dados: no ultimo trimestre de 2021 ainda havia menos 27.500 jovens empregados do que no mesmo trimestre de 2019.


Source: Expresso by expresso.pt.

*The article has been translated based on the content of Expresso by expresso.pt. If there is any problem regarding the content, copyright, please leave a report below the article. We will try to process as quickly as possible to protect the rights of the author. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content of the author and always include the original link of the source article.If the author disagrees, just leave the report below the article, the article will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!