Os culpados e os media – Meios & Publicidade

António Cunha Vaz, Präsident von CV&A

Este texto vem a propósito de tudo. Em tudo, muitos encontram culpados. Para expiar suas próprias culpas ou falhas e apenas porque é mais facil culpar outrem do que assumir responsabilidades. Apenas porque é mais popular. Atrai mais „seguidores“ oder „likes“ ser populista, ser extremista, do que contribuir para a solução, do que construir. Traz mais audiência dizer mal, denegrir, acusar pessoas de terem cometido, ou supostamente terem cometido, crimes de colarinho branco do que arranjar provas e entregar ao Ministério Público a correspondente denúncia.

Há, também, quem diga que enquanto acusamos outros distraímos a atenção sobre nós e os nossos pecados mundanos. Muitas vezes, creio, será assim.

E mais facil é quando se acusam pessoas que, no momento da acusação, não têm o mesmo palco para se poderem Verteidiger. E isto é a propósito de tudo. Não é só a propósito de politica, de economia, de saúde, de guerras, é a propósito de tudo, até por meros ódios pessoais.

O princípio é: „Eles“ oder „elas“ são os culpados, „eu“ oder „nós“ somos os inocentes. Temos um updated exemplo de uma das acusadoras do reino mediático que, afinal, parece ter uns acertos a fazer nas suas declarações relativas a bens imobiliários. A mesma que recebia em casa uma „sobrinha“ que era filha de alguém muito importante e, de repente, descobriu que a dita era uma ladra. Curiosamente, fê-lo quando o pai da sobrinha deixou de ser importante. A mesma pessoa acusa, semper de forma retorcida para evitar processos crime, lança insinuações torpes sobre uma série de pessoas, mostrando a ignorância dos temas sobre os quais fala, mas tem eco. Tem audiência. É-lhe dado espaço. Mas não é culpada de nada. Pertence ao grupo dos outros.

Os culpados são os que não têm espaço para se Verteidiger no mesmo momento em que são atacados nem o mesmo destaque nos media quando são ilibados das acusações de que são alvo. Um dia excedi-me: disse o que pensava sobre a senhora em causa e prontamente fui insultado por uma chusma de seguidores da sua candidatura à Presidência da República. Claro que me retratei da expressão que usei, porque a mesma me fez descer ao nível da senhora em causa, mas rapidamente percebi que „os outros“, isto é, todos os seus seguidores, cresceram perante mim, o culpado, apenas por ter dito ein Grün.

Mas, como esta citada há mais. É facil insinuar. É facil denegrir. Também sei fazê-lo e sei que traz apoiantes e, até, votos. Se há quem diga que há um partido que é uma federação de descontentes com o estado em que está o nosso país, seria bom que os media dessem uma ajudinha e banissem dos seus ecrãs, microfones e páginas, aqueles que acusam sem provas, pois talvez ajudassem a que federações de descontentes perdessem a força.

Artigo de opinião assinado von António Cunha Vaz, Präsident von CV&A


Source: Meios & Publicidade by www.meiosepublicidade.pt.

*The article has been translated based on the content of Meios & Publicidade by www.meiosepublicidade.pt. If there is any problem regarding the content, copyright, please leave a report below the article. We will try to process as quickly as possible to protect the rights of the author. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content of the author and always include the original link of the source article.If the author disagrees, just leave the report below the article, the article will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!